Hotsite do Teste Público de Segurança 2017 divulga pré-inscrições aprovadas

Hotsite do Teste Público de Segurança 2017 divulga pré-inscrições aprovadas

TPS 2017 será em novembro e terá planos de ataque à urna eletrônica

Já está disponível no hotsite do Teste Público de Segurança 2017 (TPS) do Sistema Eletrônico de Votação o edital com as 28 inscrições previamente selecionadas para o evento, sendo 17 de investigadores individuais e três de grupo de investigadores. As inscrições aprovadas em definitivo para o TPS serão divulgadas somente no dia 23 de outubro. A quarta edição do Teste Público de Segurança ocorrerá de 28 a 30 de novembro na sede do TSE, em Brasília. Confira as pré-inscrições de investigadores individuais ou grupo de investigadores aprovadas.

Ao todo, o TPS 2017 totalizou 28 pré-inscrições. Após essa fase, os pré-inscritos teriam de 15 a 19 de setembro para recorrer. No entanto, todas as inscrições prévias foram selecionadas. O resultado dessa etapa, de acordo com o edital, será divulgado no dia 21 de setembro, também no site do evento. Em seguida, no dia 3 de outubro, haverá uma palestra sobre o funcionamento do sistema eletrônico de votação.

No TPS 2017, os investigadores inscritos, especialistas em tecnologia da informação, farão tentativas para “vencer” as barreiras de segurança do sistema eletrônico de votação, executando planos de ataque aos componentes externos e internos da urna eletrônica.

A segurança do sistema eletrônico de votação é feita em camadas. Por meio de dispositivos de segurança de tipos e com finalidades diferentes, são criadas diversas barreiras que, em conjunto, não permitem que o sistema seja violado. Qualquer ataque causa um efeito dominó, e a urna eletrônica trava, não sendo possível gerar resultados válidos.

Desde 2016, o Teste Público de Segurança é parte obrigatória do ciclo de desenvolvimento dos sistemas eleitorais de votação, apuração, transmissão e recebimento de arquivos.

Ataques

Para serem aprovadas as tentativas de “ataques” ao sistema eletrônico de voto, os investigadores têm de passar por processos de avaliação até serem selecionados pela Comissão Avaliadora do TPS.  Os investigadores precisam apresentar um Plano de Teste, com o detalhamento do “ataque” que pretendem simular, devidamente amparado em normas, artigos, publicações e outros trabalhos técnicos e científicos.

O TPS 2017 ocorrerá em um espaço preparado exclusivamente para ele, com entrada controlada e ambiente monitorado por câmeras. Os investigadores selecionados para participar terão acesso aos componentes internos e externos do sistema eletrônico de votação – como aqueles utilizados para a geração de mídias –, apuração, transmissão e recebimento de arquivos, lacrados em cerimônia pública, incluindo o hardware da urna e seus softwares embarcados. Além disso, o TSE fornecerá o acesso ao código-fonte do sistema, primeiro passo para adentrar na tecnologia.

A Comissão Avaliadora para atuar no Teste Público de Segurança foi instituída pela Portaria nº 565 do TSE. A Comissão é formada por dez profissionais de diversas áreas, tornando a equipe heterogênea e independente para acompanhar o teste.

Pioneirismo

O Brasil é o primeiro e o único país no mundo que faz teste semelhante, abrindo os sistemas eleitorais para que investigadores ou hackers tentem quebrar as barreiras de segurança do processo.

O Teste Público de Segurança ocorre desde 2009 e tem por finalidade fortalecer a confiabilidade, a transparência e a segurança da captação e da apuração dos votos, além de propiciar melhorias no processo eleitoral.

Essa quarta edição do TPS traz alguns diferenciais, como a assinatura do código-fonte durante a primeira inspeção – garantindo a inalterabilidade até a execução dos testes pelos investigadores – e a entrega do certificado ao final do último dia do teste.

EM/RC

Últimas notícias postadas

Recentes