25 de abril de 2012 - 16h48
Mais informações sobre o conteúdo Impressão
Ministra Rosa Weber, diretora da EJE, em 2012.
Ministra do STF Rosa Weber.

Ministra Rosa Weber é indicada diretora da Escola Judiciária Eleitoral

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber foi indicada pela presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, para o cargo de diretora da Escola Judiciária Eleitoral do TSE. A indicação foi feita na sessão desta terça-feira (24) e acolhida pelos demais ministros da Corte Eleitoral.

Criada em 2002, a EJE/TSE tem o objetivo de formar, atualizar e especializar magistrados da Justiça Eleitoral, membros do Ministério Público e interessados em Direito Eleitoral. Dentre as suas diretrizes, a escola busca: promover a sinergia entre suas ações e as dos tribunais regionais eleitorais; consolidar suas publicações como principal veículo de discussão da temática eleitoral; multiplicar a realização de eventos jurídicos em que o debate eleitoral seja referência; incentivar o debate jurídico dentro das temáticas eleitorais; participar de discussões sobre a legislação comparada de Direito Eleitoral; e consolidar e aperfeiçoar permanentemente a doutrina eleitoral.

Perfil

Nascida em Porto Alegre-RS, Rosa Maria Weber Candiota da Rosa foi empossada ministra do Supremo em 19 de dezembro de 2011. Graduada em Direito e em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), ingressou na carreira da magistratura em 1976, como juíza do Trabalho substituta do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4).

Foi promovida por merecimento ao cargo de desembargadora do TRT-4 em 1991, tendo atuado, entre outros, na 3ª, 5ª e 1ª Turmas e no Órgão Especial do Tribunal. Junto àquela corte, atuou também como vice-corregedora regional, e chegou à Presidência do TRT-4 em dezembro de 2001, ficando no cargo até dezembro de 2003.

Em fevereiro de 2006, tomou posse como ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST), onde integrou a 6ª e a 3ª Turmas, a Sessão Especializada de Dissídios Individuais e o Órgão Especial.

Também participou de atividades associativas, tendo sido integrante do Conselho Deliberativo da Fundação Escola da Magistratura do Trabalho do Rio Grande do Sul João Antônio G. Pereira Leite (Femargs) e corregedora e presidente da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 4ª Região (Amatra IV), além de ter integrado o Colégio de Presidentes e Corregedores da Justiça do Trabalho (Coleprecor).

LC