Gestão estratégica

A sistemática de planejamento e gestão do TSE consiste em um conjunto de práticas gerenciais voltadas para a obtenção de resultados e condutas organizacionais com o objetivo de atender às expectativas dos cidadãos brasileiros em relação aos serviços prestados pela Justiça Eleitoral.


O trabalho se baseia inicialmente no planejamento, processo que mobiliza as pessoas e a instituição na construção de um futuro desejado, e continua com as boas práticas de gestão, que completam o ciclo de planejamento. Elas visam integrar as diversas unidades organizacionais às diretrizes estratégicas do TSE, sensibilizando os servidores para a obtenção de melhores resultados em seus respectivos processos de trabalho.


Gestão de projetos 

Gestão da qualidade

Gestão socioambiental

 

Metas da Justiça Eleitoral para 2019

Metas da Justiça Eleitoral para 2020

Planejamento estratégico

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação 2015-2020 (Petic)

Missão

Garantir a legitimidade do processo eleitoral e a efetiva prestação jurisdicional, a fim de fortalecer a democracia.

 

Visão de futuro

Ser reconhecido como órgão de excelência pela credibilidade e qualidade na gestão do processo eleitoral e na prestação jurisdicional.

 

Valores

  • Ética: atuação sob os princípios da honestidade, lealdade e dignidade.
  • Valorização das pessoas: respeito e valorização das características intrínsecas de cada indivíduo.
  • Comprometimento: atuação com dedicação, empenho e envolvimento em suas atividades.
  • Responsabilidade socioambiental: adoção de práticas em benefício da sociedade e do meio ambiente, melhorando a qualidade de vida das pessoas.
  • Acessibilidade: promoção das condições para que todas as pessoas possam acessar os espaços e as informações de responsabilidade do TSE.
  • Economicidade: adoção de práticas que busquem a boa distribuição de recursos, racionalizando gastos e assegurando o equilíbrio financeiro-orçamentário.
  • Transparência: garantia do acesso a informações, ações e decisões institucionais.
  • Integração: compartilhamento de experiências, conhecimentos e colaboração participativa na Justiça Eleitoral que conduzam à formação de equipes orientadas para resultados comuns.
  • Celeridade: atuação com rapidez e agilidade, garantindo a qualidade do resultado entregue.
  • Confiabilidade: atuação com eficiência e eficácia, de acordo com as atribuições normativas.
  • Inovação: estímulo à criatividade e à busca de soluções diferenciadas.
  • Coerência: alinhamento entre discurso e prática.