Voto informatizado

Banner com a frase: Urna eletrônica.

O voto informatizado surgiu para agregar mais qualidade, agilidade, transparência, segurança e robustez ao processo eleitoral, permitindo um efetivo combate às fraudes.

É um produto genuinamente brasileiro, único no mundo. Tanto o hardware das urnas eletrônicas como os milhares de programas computacionais que integram o sistema eletrônico de votação foram concebidos e construídos sob a orientação do TSE.

A partir de 2005, todos os programas computacionais da votação eletrônica passaram a ser desenvolvidos pelo TSE.

Com o cadastro de eleitores automatizado e dispondo de uma rede computacional capilarizada e de abrangência nacional, em 1995, era chegado o momento de informatizar o registro do voto.

A Justiça Eleitoral não tentou importar de outros países uma solução já construída, por ter verificado que o processo eleitoral brasileiro (formato PDF) possui características únicas no mundo. Optou por planejar e construir uma solução que se adequasse à legislação eleitoral brasileira; às condições sociais e às culturas locais; à imensidão e à diversificação do território nacional; às condições estruturais de comunicação e à condição econômica do país.

Assim, foram identificadas e estabelecidas premissas que deveriam ser seguidas quando da elaboração do projeto técnico da urna eletrônica brasileira.

Na solução do voto informatizado, buscou-se:

  • Padronização
  • Aderência à legislação atual
  • Processo amigável
  • Custo reduzido
  • Perenidade
  • Segurança
  • Facilidade na logística
  • Autonomia