Comunicação estratégica foi importante para aproximar eleitor da Justiça Eleitoral

Intenso trabalho rendeu ao TSE prêmios nacional e internacional, além do reconhecimento do público-alvo

Semana do Jovem Eleitor Forum

À frente da Presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Gilmar Mendes trabalhou a comunicação de forma estratégica, sempre com o objetivo de estar mais próximo do eleitor. Foram várias as ações realizadas por meio da imprensa, das redes sociais, de campanhas institucionais e pela produção de peças para rádio e televisão, a fim de informar e conscientizar o eleitor.

Essa atuação rendeu ao TSE reconhecimento nacional e internacional. A área de notícias do Portal do TSE foi avaliada e reconhecida por um júri internacional reunido pela ONG Transparência Electoral para avaliar sites de órgãos eleitorais e partidos políticos na América Latina. O intenso trabalho nas mídias digitais do TSE também rendeu destaque. O projeto #TSEResponde conquistou o 3° lugar do Conbrascom 2017.

As redes sociais tiveram um papel importante durante a gestão do ministro Gilmar Mendes. Houve um crescimento significativo no número de seguidores dos perfis e páginas oficiais, o que resultou em alcance maior das publicações e em maior interação dos internautas com o Tribunal.

Nas redes sociais o número de seguidores triplicou, e o alcance das postagens aumentou em mais de 30 vezes. Foi na gestão do ministro Gilmar que os comentários no Facebook foram abertos aos usuários.

O Twitter foi a plataforma escolhida para informar a sociedade. No final de 2017, o TSE lançou o primeiro chatbot de órgão público brasileiro na plataforma, o #TSEresponde. No Instagram foi criado o perfil @IndiretasEleitorais. O TSE também investiu em produção e divulgação de vídeos e áudios. Foi produzido um total de 9.331 conteúdos que somaram 1.157 horas 37 minutos de material.

Pesquisa

O TSE realizou duas importantes pesquisas para embasar suas ações de comunicação. A primeira foi logo após as eleições. Também foi realizada uma pesquisa voltada para o jovem eleitor. Os dados das pesquisas são usados por toda a Justiça Eleitoral para apoiar a tomada de decisão, assim como são compartilhados com a sociedade no portal do TSE.

Educação e Cultura

A gestão do ministro Gilmar Mendes à frente do TSE também foi marcada pela realização de eventos e cursos focados na educação e na cultura. Na onda da tendência tecnológica, a Corte promoveu alguns cursos à distância, o EAD. Em 2016, por exemplo, foi realizada a aula “Elaboração da prestação de contas das Eleições 2016”.

Já em agosto daquele mesmo ano, foi disponibilizado no portal do TSE o curso de capacitação on-line para 60 mil mesários, também na modalidade EAD. Um ano depois, Gilmar Mendes e o jornalista da Rede Globo Heraldo Pereira ministraram a aula magna do curso à distância “Democracia e Justiça Eleitoral” para estudantes de Jornalismo e servidores do Tribunal.

Acordo

Acordos importantes na área de educação foram firmados. Em dezembro de 2016, o TSE e a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) assinaram acordo de cooperação técnico-científica para a realização de ações, cursos e eventos de formação, aperfeiçoamento e especialização de magistrados em matéria eleitoral.

Em outubro de 2018, o TSE lançou o lançamento do projeto “Partiu Mudar – Educação para a Cidadania Democrática no Ensino Médio”, fruto da parceria entre a Justiça Eleitoral, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e as Escolas Judiciárias Eleitorais (EJEs).

Ação Vote Consciente

A ação Vote Consciente mobilizou os regionais. Em locais de grande movimento nas capitais dos estados de Goiás, Bahia, Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Tocantins, os eleitores foram convidados a responder às seguintes perguntas: “O que você quer melhorar na sua cidade?” e “Você sabe quem pode resolver isso?”. O evento foi uma iniciativa do TSE em conjunto com os TREs e buscou reforçar a ideia de que uma população bem informada sobre seus direitos e deveres e esclarecida sobre a importância do voto é o primeiro passo para formar um eleitor consciente e atuante na sociedade.

Centro Cultural da Justiça Eleitoral

A cultura também foi pauta de destaque durante esse biênio do ministro à frente da Corte Eleitoral. No dia 18 de dezembro de 2017, foi publicada no Diário Oficial da União a Lei nº 13.538, que cria o Centro Cultural da Justiça Eleitoral (CCJE), no município do Rio de Janeiro, e regulamenta o funcionamento da instituição. A sanção da lei foi comemorada por toda a Justiça Eleitoral.

O Centro Cultural encontra-se na antiga sede do TSE, edificação de 1896, prédio de valor histórico. Situado no chamado Corredor Cultural do Centro Histórico do Rio de Janeiro, ao lado dos principais centros culturais e museus da cidade, o imóvel integra o Conjunto Arquitetônico e Urbanístico da Praça XV de Novembro e foi tombado pelo Governo Federal em 1990.

No dia 15 de dezembro, 11 personalidades receberam, em cerimônia no CCJE, a medalha da Ordem do Mérito do Tribunal Superior Eleitoral Assis Brasil.

Exposições

Importantes exposições foram promovidas pelo TSE. Durante o mês de maio de 2017, a exposição “85 anos do voto feminino no Brasil” esteve aberta ao público no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).  Ainda em maio de 2017, Gilmar Mendes inaugurou em Brasília a exposição “20 anos da Urna Eletrônica”, que reuniu fotografias e objetos do acervo da Justiça Eleitoral. Em dezembro de 2016, a mostra marcou a reinauguração do CCJE, no Rio de Janeiro (RJ). Em outubro de 2017, foi a vez de o Museu do TSE abrigar a exposição “Hans Kelsen”, que celebra a influência do pensador e jurista austríaco para as ciências política e jurídica. Em dezembro de 2017, Gilmar Mendes inaugurou a exposição “A Justiça Eleitoral e o caminhar da democracia”, que ficará aberta à visitação pública no CCJE, no Rio de Janeiro, até agosto de 2018.

RC/DM




Últimas notícias postadas

Recentes