Nota de esclarecimento sobre vídeo que aponta divergência entre boletim de urna e aplicativo do TSE

Gravação que circula nas redes sociais é enganosa porque compara dados de seções eleitorais diferentes

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informa que é falso o vídeo que circula nas redes sociais (Twitter, Facebook e Instagram) em que eleitores tentam demonstrar suposta fraude ocorrida na Seção Eleitoral 386, na cidade de Rio Branco (AC).

O vídeo faz uma comparação entre dados obtidos de zonas eleitorais diferentes. No aplicativo Resultados, mostrado em um aparelho de celular, a zona eleitoral informada é a de número 9, mas o boletim de urna reflete dados da zona de número 1. Por isso, há a divergência de informações. Houve, portanto, comparação de dados de locais diferentes de votação.

No vídeo, é feita comparação entre os dados do boletim de urna, documento que é impresso no final do dia das eleições em todas as seções eleitorais com todos os votos computados na urna eletrônica, e os números indicados por meio do aplicativo Resultados, do TSE. A alegação dos produtores do vídeo é de que o aplicativo não mostraria corretamente os votos recebidos por alguns candidatos, o que estaria explícito no boletim de urna.

É importante salientar que toda a apuração dos votos é conferível e auditável. Antes de iniciar a votação, o presidente da mesa receptora de votos liga a urna eletrônica, na frente dos mesários e fiscais de partidos políticos, e emite o relatório da zerésima, um documento que mostra que não houve nenhum voto computado naquele equipamento. Depois da votação, a urna emite um comprovante impresso chamado Boletim de Urna (BU), com a quantidade de votos a cada candidato. Os boletins são impressos em cinco vias e entregues a partidos. Além disso, é possível pedir acesso ao juiz da respectiva zona eleitoral. Os dados podem ser conferidos no site do TSE.

Últimas notícias postadas

Recentes