Rejeitados recursos sobre suposto favorecimento da Rede Record a Jair Bolsonaro nas Eleições 2018

Por unanimidade, TSE não reconheceu pretensas omissões e contradições em acórdão da própria Corte, que julgou ação improcedente em 2019

Sessão do TSE por vídeoconferência

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou, por unanimidade, na sessão desta terça-feira (6), recursos (embargos de declaração) na Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) que apurou a suposta utilização indevida de meios de comunicação em favor do então candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018.

A ação foi proposta pela coligação O Povo Feliz de Novo (PT/PCdoB/Pros), que teve Fernando Haddad como candidato, e apurou o suposto favorecimento aos então candidatos Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão na cobertura jornalística da TV Record e do portal R7. O TSE julgou a Aije improcedente e determinou o seu arquivamento em outubro de 2019.

Os embargos julgados hoje questionavam supostas omissões e contradições no acórdão do TSE. Relator da ação, o ministro Luis Felipe Salomão, corregedor-geral da Justiça Eleitoral, votou pela rejeição dos embargos, apontando que a interposição dos recursos pretendia modificar o julgamento da Aije.

Em seu voto, Salomão destacou que não identificou nenhuma das omissões ou contradições que teriam sido indicadas pelos embargantes no acórdão do TSE.

Acesse a íntegra do voto do ministro Luis Felipe Salomão.

RG/LC, DM

Processo relacionado: Aije 0601969-65

Leia mais:

24/10/2019 - Arquivada ação que apontava favorecimento da TV Record a Jair Bolsonaro durante campanha

Últimas notícias postadas

Recentes