PSL e PT acompanham in loco totalização dos votos do 2º turno das Eleições 2018

Além dos partidos dos candidatos à Presidência da República, integrantes de outras legendas, da OEA e de seis instituições presenciaram a contabilização na sede do TSE

TSE - fachada

Em uma iniciativa para dar transparência ainda mais ampla ao sistema eleitoral brasileiro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) preparou uma sala para que representantes de partidos políticos e de diversas instituições pudessem acompanhar neste domingo (28), em tempo real, todo o processo de totalização dos votos no segundo turno das Eleições 2018. A contabilização dos votos iniciou-se às 17h do horário de Brasília, porém, só começou a ser divulgada após as 19h, quando foi encerrada a votação no Acre.

Representantes do Partido Social Liberal (PSL), do candidato eleito à Presidência da República, Jair Bolsonaro, e da Coligação O Povo Feliz de Novo (PT/PCdoB/PROS), do adversário Fernando Haddad (PT), acompanharam a totalização diretamente da sala contígua à Seção de Totalização e Divulgação de Resultados (Setot), no anexo do edifício-sede do TSE. Também presenciaram a contabilização dos votos representantes do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), do Partido Republicano Progressista (PRP) e do PODEMOS.

Além das agremiações partidárias, estiveram presentes no Tribunal integrantes da missão de observação da Organização dos Estados Americanos (OEA), do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Procuradoria-Geral Eleitoral, do Departamento de Polícia Federal, da Sociedade Brasileira de Computação (SBC) e do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea).

A iniciativa, que também ocorreu no primeiro turno, atendeu ainda requerimento apresentado pela Coligação Brasil Acima de Tudo, Deus Acima de Todos, do candidato eleito à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). A coligação solicitou que até cinco representantes indicados pelo grupo e outros cinco pela coligação adversária, O Povo Feliz de Novo, do candidato Fernando Haddad (PT), pudessem acompanhar a totalização no Tribunal.

De acordo com o representante do PSL, o consultor de Segurança da Informação João Lucas Melo Brasio, a iniciativa de garantir aos partidos acesso à totalização dos votos em tempo real foi “muito importante para garantir a lisura das eleições”. “Foi uma decisão muito honrada da ministra Rosa Weber”, destacou. No primeiro turno, convidado pelo TSE a acompanhar os trabalhos de totalização diretamente na Corte, o PSL não indicou representante.

Segundo o advogado Miguel Novaes, representante da Coligação O Povo Feliz de Novo, desde o começo da totalização, o Tribunal garantiu acesso total à sala contígua à Setot e à sala-cofre. “A gente viu com muita clareza, limpidez e transparência a apuração dos votos. De nossa parte, não fazemos nenhuma menção a qualquer manipulação ou fraude. Independentemente do resultado, a gente tem certeza de que foi uma vitória para a democracia”, disse.

Já Alexandre Borsato, representante do Confea, considerou o acompanhamento da totalização uma “oportunidade ímpar”. “Conseguimos ver a transparência de todos os passos da apuração. Além disso, no dia de ontem, conhecemos as instalações do TSE, e isso dá muita credibilidade para o trabalho que é feito pelo Tribunal”, complementou.

O advogado Luiz Gustavo Pereira da Cunha, representante do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), avaliou a iniciativa do TSE como “muito louvável”, justamente porque dá mais transparência ao pleito e tranquilidade para a população brasileira. “Nós consideramos que o sistema é seguro. Mesmo que haja eventual invasão, ele é 100% auditável”, observou.

Marcela Amazonas, representante do Partido Republicano Progressista (PRP), avaliou como “bastante interessante” a experiência de acompanhar em tempo real a totalização dos votos diretamente do TSE. “Acho que isso confere realmente mais credibilidade a todo o processo de votação e dá mais segurança para o cidadão, que vê que o processo acontecendo de perto. É uma iniciativa muito válida e bem bacana”, disse.

Transparência

A totalização dos votos é realizada pelo TSE a partir das informações dos boletins de urna encaminhadas pelos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), por meio de uma rede privativa da Justiça Eleitoral sem conexão com a internet. A totalização é iniciada logo após o encerramento da votação em cada uma das unidades da Federação.

O acesso à sala contígua à Setot foi restrito a pessoas credenciadas, que foram revistadas com um detector de metais antes de entrar. Celulares e quaisquer outros aparelhos eletrônicos, carteiras, pastas, mochilas, papéis, crachás, broches, canetas, relógios e até mesmo óculos foram deixados do lado de fora.

Uma vez lá dentro, todos os credenciados tiveram de permanecer incomunicáveis das 17h às 19h, a partir do fechamento das urnas no horário de Brasília até o fim da votação no fuso-horário do Acre, quando o placar parcial começou a ser divulgado. Não foi permitido sair por motivo algum, nem mesmo para ir ao banheiro.

De dentro, os convidados puderam assistir à evolução da apuração dos votos para presidente da República em todo o país desde o começo, por meio de um grande monitor de computador. Através de uma janela, que dá acesso à Setot, pôde-se acompanhar o trabalho dos servidores do TSE, que, igualmente isolados, trabalharam no processamento dos votos que foram enviados pelos 27 Tribunais Regionais Eleitorais (TREs).

Uma vez fechada e trancada a porta, o ambiente na sala foi de expectativa, embora os representantes dos partidos adversários neste pleito conversassem sobre os resultados que iam surgindo.

Um servidor da Setot, destacado para operar o computador que traz os dados, atendeu aos pedidos para mostrar os resultados em diferentes níveis – nacional, regional, estadual e até mesmo municipal. Os credenciados foram convidados a, se quisessem, alternadamente irem até a sala contígua para acompanhar o trabalho dos servidores que recebiam as informações que chegavam dos TREs.

As dúvidas que surgiram puderam ser registradas por escrito, tendo sido esclarecidas imediatamente por um servidor do Tribunal. Às 19h, o isolamento não foi mais necessário, e todos os convidados saíram da sala. A avaliação geral foi a de que a iniciativa mostrou, de forma transparente, a concretização da democracia.

LC, RG/RR, DM

Últimas notícias postadas

Recentes