Teste da Urna 2023: número de investigadoras é recorde

7ª edição do evento contou com a participação de mulheres na execução de planos de teste

Foto: Alejandro Zambrana/Secom/TSE - Teste público de segurança da urna - 30.11.2023

Aline Barbosa, Érika Maria de Castro, Rhayara Rodrigues, Hitatiana Santiago, Maria Isabel Lima e Camila Alves. Anote esses nomes. Essas seis mulheres participaram durante toda esta semana do Teste Público de Segurança (TPS) da Urna 2023, ampliando o caminho para que outras mulheres também se interessem em fazer parte do evento em outras oportunidades.

A 7ª edição do Teste da Urna, que começou na segunda-feira (27), na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília (DF), contou com um número recorde de investigadoras: três vezes mais do que a edição anterior, realizada em 2021, que teve duas participantes atuando efetivamente.

O evento, que terminou nesta sexta-feira (1°), tem como objetivo fortalecer a confiabilidade, a transparência e a segurança da captação e da apuração dos votos, assim como propiciar o aperfeiçoamento do processo eleitoral.

Crescimento do número de mulheres

Realizado desde 2009, o Teste da Urna contou com a participação de mulheres pela primeira vez em 2012. Confira, na tabela abaixo, um comparativo sobre a participação feminina no Teste Público.

Edição

Data

Total de Participantes

Participantes mulheres

2009

10 a 13/nov.

37

0

2012

20 a 22/mar.

24

2

2016

8 a 10/mar.

13

1

2017

27 a 30/nov.

14

0

2019

25 a 29/nov.

22

0

2021

22 a 27/nov.

26

2

 

Motivação

Foto: Alejandro Zambrana/Secom/TSE - Camila Ferreira - Mulheres TPS 2023 - 01.12.2023

Para Camila Alves, de 25 anos, que está no final do curso de Computação da Universidade Federal Fluminense (UFF), no Rio de Janeiro, participar do TPS é a realização do sonho de integrar uma equipe acadêmica. “É uma honra estar aqui. Eu sinto muito orgulho, porque esse é um ambiente majoritariamente masculino, e ver que eu estou fazendo parte desse grupo de mulheres é algo especial. Eu sempre tive essa questão de querer estar na Ciência. Então, é muito bom estar aqui, olhar ao meu redor e perceber que eu ganhei esse espaço”, disse.

Segundo ela, a participação da sociedade no Teste da Urna, além do caráter colaborativo, “quebra” [desmente] muito as fake news sobre a urna eletrônica e confere ainda mais transparência ao processo, já que o público pode acompanhar todo o evento pelo canal do TSE no YouTube.

Pioneirismo

Foto: Alejandro Zambrana/Secom/TSE - Erika Maria - Mulheres TPS 2023 - 01.12.2023

Érika Maria de Castro, 39 anos, de Mont Mor (SP), graduada em Ciências Jurídicas e Sociais, disse acreditar que a participação dela e das outras especialistas abrirá as portas para mais investigadoras. “Acho que é interessante que o cidadão veja que mulheres participam do evento. E que elas se façam cada vez mais presentes, porque as pessoas imaginam que apenas alguém ligado à informática pode participar. Ao estar aqui, a gente percebe que o conhecimento é valorizado. Acredito que a participação de mulheres no Teste só vai se ampliar”, observou Érika, ao destacar que várias situações ocorridas no evento demonstraram que o “sistema da urna está muito completo em termos de segurança”.

Pesquisadoras da USP

Além das investigadoras, o Teste da Urna 2023 conta com presença de mulheres que integram o grupo de pesquisadores do Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores (Larc) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). A equipe é composta de professores, alunos de pós-graduação e de nível de mestrado e doutorado, além de alguns estudantes de graduação que fazem iniciação científica, em geral nos campos da Engenharia de Computação ou da Engenharia Elétrica focada em computação.

Em junho de 2023, o TSE e a USP firmaram um convênio de cooperação técnico-científica que ampliou a integração entre as instituições no processo de avaliação da segurança do hardware e do software do sistema eletrônico de votação antes, durante e depois do Teste Público.

Experiência e inspiração

De acordo com Yeda Regina Venturini, professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), que integra o grupo de pesquisadores da instituição, essa é uma experiência muito interessante. “Gostei muito da abertura que o TSE dá para que pessoas com diversos níveis de conhecimento sobre a urna eletrônica participem. Isso tem como resultado não apenas o objetivo principal, que é contribuir para melhorar a segurança da urna, como também para que os estudantes, que estão começando, aprendendo, consigam entender melhor e quebrar alguns mitos com relação à forma como a urna é construída e os procedimentos de segurança que existem nela”, destacou a docente.

Yeda lembrou que a presença feminina nas áreas de Exatas normalmente é reduzida. “Eu acho que nossa participação aqui serve como uma motivação. Porque elas observam que tem mulheres que estão ocupando um espaço como esse, de especialista. Essa visibilidade é importante e motiva para que outras mulheres se sintam confortáveis em estar nesse meio de tecnologia, que é bastante masculino”, afirmou.

O Teste Público

O Teste da Urna é voltado a especialistas com interesse em colaborar com a Justiça Eleitoral no aprimoramento dos sistemas eletrônicos de votação e apuração a serem utilizados nas Eleições Municipais de 2024, bem como contribuir para o fortalecimento da democracia.

MM/EM, DM

Leia mais:

09.10.2023 – Recorde de mulheres no Teste da Urna: número de pré-inscritas quase triplicou em 2023

icone mapa
Setor de Administração Federal Sul (SAFS)
Quadra 7, Lotes 1/2, Brasília/DF - 70095-901,
Tribunal Superior EleitoralTel.:(61) 3030-7000

Icone horário de funcionamento dos protocolos

Funcionamento dos protocolos administrativo e judiciário : segunda a sexta, das 11h às 19h. 

Horário de funcionamento de outros serviços e mais informações

Acesso rápido