TSE participa de debate no Senado sobre o impacto das fake news nas Eleições 2018

Ministro Tarcisio Vieira e secretário-geral da Presidência da Corte Eleitoral estiveram presentes ao evento

Ministro Tarcísio Vieira

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) participou, na tarde desta quarta-feira (21), de uma Sessão de Debates Temáticos, no Plenário do Senado Federal, sobre o tema “Fake news e seu impacto nas Eleições de 2018”. Representaram a Corte Eleitoral no evento o ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto e o secretário-geral da Presidência, Carlos Eduardo Frazão. A sessão de debates, presidida pelo vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima, foi realizada a requerimento do senador Telmário Mota.

Em sua exposição, o ministro Tarcisio Vieira apresentou algumas impressões do TSE acerca da temática. Segundo ele, dentre os inúmeros desafios que a Justiça Eleitoral terá de enfrentar neste ano, três merecem destaque: o financiamento eleitoral, a impressão do voto e a propagação de notícias falsas. Segundo o magistrado, a Corte Eleitoral tem se preocupado em debater o assunto, lançando mão de instrumentos ao alcance do Tribunal, com o intuito de tentar compreender e mitigar o fenômeno.

“No contexto das eleições, o poder destrutivo das informações falsas é indiscutível. Nós já temos um material importante na legislação para a atuação da Justiça Eleitoral. O legislador fez uma opção bastante inteligente por atacar esse tema não no varejo, mas nesse fluxo mais destrutivo que advém do impulsionamento de conteúdos”, avaliou o ministro. Para ele, é importante combater notícias falsas com a divulgação de informações verídicas, as quais devem “subsidiar sempre as escolhas políticas conscientes por parte do eleitorado”.

O secretário-geral da Presidência do TSE, Carlos Eduardo Frazão, destacou que o Tribunal tem se debruçado sobre o tema, tendo, inclusive, estabelecido o Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições, que tem debatido a adoção de instrumentos para tentar amainar os efeitos deletérios da divulgação de notícias falsas. Segundo ele, a Corte Eleitoral está atenta ao fato de que as fake news “prejudicam a qualidade do voto do cidadão, prejudicam a formação de um voto consciente por parte do eleitorado”.

“Um processo eleitoral hígido, legítimo pressupõe que as pessoas estejam bem informadas. A liberdade de expressão é um valor em si, e é um pressuposto, sim, para uma efetiva democracia, para um verdadeiro Estado Democrático de Direito”, afirmou.

O presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Paulo Tonet Camargo, defendeu que a solução para as fake news – que já foi experimentada em outros países, como a Alemanha – se resume na palavra “responsabilidade”. “A solução do problema é uma só. Se os nossos veículos divulgam notícia falsa, temos responsabilidade criminal e civil. Quem distribui notícias, quem é o disseminador das notícias tem que assumir responsabilidade”, ressaltou.

Também participaram dos debates o presidente do Conselho de Comunicação Social do Senado Federal, Murilo Aragão, o diretor da Sucursal da Folha de S. Paulo em Brasília, Leandro Colon, o procurador do Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios (MPDFT) e presidente do Instituto Brasileiro de Direito Digital, Frederico Ceroy, o consultor de Segurança Digital, Daniel Nascimento, e a presidente do Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (Projor), Ângela Pimenta.

LC/JP/RT

Últimas notícias postadas

Recentes