Seis coisas que você precisa saber sobre o código-fonte

Procedimento realizado pela Justiça Eleitoral acontece regularmente, pelo menos um ano antes de cada eleição

Código fonte - 06.09.2023

Com um ano e dois dias de antecedência das Eleições Municipais 2024, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, anunciou a abertura do código-fonte da urna eletrônica e dos sistemas eleitorais para inspeção pelas entidades fiscalizadoras.

A solenidade marca o início do Ciclo de Transparência Democrática – Eleições 2024. Para entender tudo sobre o assunto, confira seis pontos importantes:

1) O que é o código-fonte?

É o conjunto de comandos escritos em linguagem de programação de computador que dizem como os programas devem funcionar. O código-fonte da urna eletrônica nada mais é, então, que o conjunto de instruções às quais os sistemas eleitorais, desenvolvidos pelo TSE, obedecem.

Fazendo uma comparação com algo do seu dia a dia, pense numa receita de um bolo de chocolate com cobertura. A receita completa seria o código-fonte do doce. Ela define o que o cozinheiro deve fazer, enquanto o software executado na urna eletrônica seria o bolo produzido a partir do passo a passo contido na receita.

Vale lembrar que, desde o dia 4 de outubro, o código-fonte está integralmente aberto para inspeção de entidades fiscalizadoras que representam a sociedade civil nas etapas de auditoria e fiscalização do processo eleitoral.

2) O que é essa abertura?

É um procedimento realizado pela Justiça Eleitoral que acontece regularmente, antes de cada eleição, e é regulamentado pela Resolução TSE nº 23.673/2021, que trata das ações de fiscalização do sistema eletrônico de votação. A solenidade é uma ação obrigatória do TSE, prevista na Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997), e ocorre desde 2002.

A partir das Eleições de 2022, o TSE ampliou de seis meses para um ano antes do pleito o período de fiscalização do código-fonte. Este ano, por exemplo, o código-fonte foi aberto faltando um ano e dois dias para as Eleições Municipais de 2024. O evento marca o início de 40 oportunidades de auditorias no curso do processo eleitoral.

A abertura do código-fonte da urna reafirma o compromisso da Justiça Eleitoral com a transparência e a segurança do sistema eletrônico de votação, bem como com o fortalecimento da democracia.

3) Até quando as entidades podem realizar a inspeção?

As entidades fiscalizadoras poderão inspecionar o código-fonte até a cerimônia de lacração dos sistemas eleitorais, que acontece semanas antes das eleições.

4) Quem pode inspecionar?

Ao longo desse período, instituições públicas, órgãos federais, partidos políticos, universidades e a sociedade civil poderão acompanhar e analisar o código, mediante agendamento prévio, inclusive com acesso a todo o conjunto de softwares da urna eletrônica e dos sistemas eleitorais.

Com a alteração na Resolução TSE nº 23.673/2021, que atualiza a lista de entidades legitimadas a fiscalizar o processo eleitoral brasileiro, 14 instituições estão autorizadas a acompanhar as fases de auditoria das urnas e dos sistemas eleitorais.

São elas: partidos políticos, federações e coligações; Ordem dos Advogados do Brasil; Ministério Público; Congresso Nacional; Controladoria-Geral da União; Polícia Federal; Sociedade Brasileira de Computação; Conselho Federal de Engenharia e Agronomia; Conselho Nacional de Justiça; Conselho Nacional do Ministério Público; Tribunal de Contas da União; Confederação Nacional da Indústria, demais integrantes do Sistema Indústria e entidades corporativas pertencentes ao Sistema S; entidades privadas brasileiras, sem fins lucrativos, com notória atuação em fiscalização e transparência da gestão pública, credenciadas junto ao TSE; departamentos de tecnologia da informação de universidades credenciadas junto ao TSE.

5) Onde acontece essa inspeção?

Todos os programas e sistemas permanecerão abertos, em tempo integral, numa sala de vidro clara, iluminada e pública, localizada no subsolo do prédio TSE, para que as instituições possam fiscalizar.

A Justiça Eleitoral prepara um ambiente seguro para deixar os sistemas a serem utilizados na eleição à disposição das entidades fiscalizadoras interessadas, que podem utilizar ferramentas automatizadas para identificar erros ou más práticas de programação e até solicitar os esclarecimentos que julgarem necessários ao Tribunal.

Foto: Alejandro Zambrana/Secom/TSE - Inspeção código-fonte, TPS 2023 - 10.10.2023

6)  Investigadoras e investigadores do Teste da Urna também têm acesso ao código-fonte?

É isso mesmo. Os pré-inscritos no Teste Público de Segurança (TPS) da Urna 2023, que vai ocorrer de 27/11 a 1/12, também puderam inspecionar o código-fonte da urna em períodos específicos: entre os dias 9 e 13 de outubro ou de 16 a 20 do mesmo mês. As informações obtidas pelos pré-inscritos durante a inspeção serão utilizadas para subsidiar os planos de testes apresentados à Comissão Reguladora do evento, que poderá opinar pela aprovação ou não dos documentos.

Na semana do Teste da Urna, investigadoras e investigadores também terão oportunidade de avaliar o código-fonte a qualquer momento, uma vez que o conjunto de comandos permanecerá aberto para verificação em equipamentos montados no mesmo ambiente em que ocorre o evento.

O Teste Público de Segurança da Urna é voltado a especialistas com interesse em colaborar com a Justiça Eleitoral no aprimoramento dos sistemas eletrônicos de votação e apuração. Desde a primeira edição, em 2009, o Teste contribui para que ocorram avanços no processo eleitoral. O evento enfatiza, ainda, o caráter de colaboração da sociedade com a Justiça Eleitoral.

MM/CM, DM

 

 

icone mapa
Setor de Administração Federal Sul (SAFS)
Quadra 7, Lotes 1/2, Brasília/DF - 70095-901
Tribunal Superior EleitoralTelefone: (61) 3030-7000

Icone horário de funcionamento dos protocolos

Funcionamento dos protocolos administrativo e judiciário: segunda a sexta, das 11h às 19h. 

Horário de funcionamento de outros serviços e mais informações

Acesso rápido