Mulheres Debatem: discussão sobre igualdade e mais espaço feminino na política marca 1ª edição do encontro

Evento virtual acontecerá todas as sextas-feiras do mês de março, com transmissão ao vivo pelo canal da Justiça Eleitoral no YouTube

Mulheres Debatem: Igualdade

Igualdade foi o tema discutido na primeira live da série “Mulheres Debatem”, evento virtual promovido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para comemorar o Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março. Participaram da estreia da roda de debates o presidente da Corte Eleitoral, ministro Luís Roberto Barroso; a membro-fundadora da Comissão TSE Mulheres, Julianna Sesconetto; a juíza federal Adriana Cruz; a cientista política Flávia Biroli; e a jornalista Petria Chaves, mediadora do encontro.

A abertura do bate-papo foi conduzida pelo ministro Barroso, que traçou uma linha do tempo da luta feminina pelo reconhecimento do pleno exercício de seus direitos políticos. “Sou parceiro nessa luta, que é uma luta antiga, uma luta secular nas sociedades patriarcais. Gosto de reconhecer também as conquistas e avanços positivos. Acho que as mulheres conseguiram percorrer um longo caminho até aqui”, afirmou o presidente do TSE.

Em sua fala, o ministro reforçou a necessidade de cobrar, por parte dos homens, mais cuidados tanto com a linguagem quanto com as atitudes para evitar que estereótipos negativos sejam perpetuados.

Igualdade

A jornalista Petria Chaves, moderadora do evento, deu início à discussão, propondo uma reflexão sobre o conceito de igualdade dentro de uma sociedade patriarcal. A juíza federal Adriana Cruz ressaltou a diferença de tratamento e oportunidades dados à população negra e transexual, que, segundo ela, são as maiores vítimas de mortes violentas no país.

“O fato de você nascer mulher, de você nascer trans determina a expectativa de vida que você tem e a maneira como você vai viver ao longo do período que te for permitido”, afirmou a magistrada, enfatizando que a desigualdade é evidenciada, inclusive, pela dificuldade que essa parcela da sociedade tem para acessar a Justiça.

Sobre a temática, a cientista política Flávia Biroli frisou a urgência em se observar as diferentes realidades da população brasileira para que a igualdade jurídica seja efetivamente atingida. “Me parece muito importante que a gente possa entender as rotinas que concretamente organizam as vidas das mulheres e que organizam de modo muito distinto se elas forem brancas, negras, pobres, assalariadas. Isso vai muito além das relações interpessoais”, complementou.

De acordo com Adriana Cruz, é preciso unir o plano individual à visão institucional do Judiciário para que o foco da discussão não seja perdido em soluções pouco práticas. “As instituições têm os seus limites; o Direito tem os seus limites. Precisamos alinhar expectativa e realidade. A gente não pode fazer tudo, mas a gente pode fazer muita coisa”, disse.

Mulheres na política

A segunda pauta discutida pelas participantes foi a ocupação feminina nas altas esferas de poder, ambiente do qual as mulheres foram historicamente excluídas. Na visão de Flávia Biroli, a cidadania política deveria ser universal, mas, na prática, funciona de maneira seletiva.

“É difícil para as mulheres constituírem uma carreira política. É difícil, inclusive, elas conseguirem se candidatar. O problema está nas inúmeras barreiras políticas e sociais que vão diminuindo as chances de mulheres se candidatarem e serem eleitas”, observou.

Para ela, o foco do debate é entender por que o espaço político-partidário é hostil com as mulheres que nele tentam ingressar. “A partir disso, vamos discutir o que elas fazem quando chegarem lá”, complementou a acadêmica.

Ao ter a palavra, Petria Chaves destacou a importância do encontro promovido pelo TSE para a construção de um diálogo produtivo com toda a sociedade brasileira. “Esta é a uma grande roda de conversa para o recebimento de sugestões e propostas. É uma comoção para gerar atitudes diferentes e transformadoras, que não fiquem só no discurso”, elogiou.

Educação

A educação, na perspectiva da juíza federal Adriana Cruz, é o único agente capaz de transformar a desigualdade de gênero, racial e de oportunidades. De acordo com ela, é preciso que as instituições ultrapassem o momento de diagnóstico e partam efetivamente para a ação. “Todas as comunicações e treinamentos precisam estar alinhados com a perspectiva de que estamos lidando com uma realidade de desigualdade de gênero, de raça, de orientação sexual e de capacidade física”, propôs.

O importante papel das universidades na formação de profissionais mais conscientes sobre a realidade brasileira também foi destacado pela magistrada: “Se nós não temos um Judiciário que nos atenda, temos que olhar para as faculdades de Direito. Que profissional é esse que está formando esse Judiciário que não está atendendo às expectativas da sociedade?”

Discurso de ódio na internet

Outro assunto abordado pelas convidadas foi a propagação de discursos de ódio na internet. Não lutar contra esse tipo de prática, segundo Flávia Biroli, não pode ser considerada uma alternativa.

“A discriminação e a violência são ativamente reproduzidas todos os dias. Quando a gente pensa nas agendas de direitos humanos, antirracistas, de gênero, está justamente se situando nesses esforços coletivos de produzir conhecimento e encontrar alternativas para a ação de transformação estrutural para interromper esses processos de reprodução e de naturalização da discriminação e da violência”, analisou a cientista política.

Sobre o “Mulheres Debatem”

Idealizada pela Comissão TSE Mulheres, a série de diálogos faz parte das ações de comemoração ao Dia Internacional da Mulher e tem como objetivo incentivar a participação feminina na política e na Justiça Eleitoral.

Os encontros acontecerão todas as sextas-feiras do mês de março, a partir das 15h, com exibição ao vivo pelo canal da Justiça Eleitoral no YouTube.

Participe e confira abaixo a agenda das próximas lives:

Dia 12/3 – Violência
Dia 19/3 – Liderança
Dia 26/3 – Gênero

BA/LC, DM

Últimas notícias postadas

Recentes