TSE abre a urna e explica funcionamento interno aos participantes do TPS 2021

Urna modelo 2015 foi desmontada para mostrar o equipamento por dentro

Desmonte da Urna Eletrônica.

Uma equipe formada pelo coordenador de Tecnologia Eleitoral, Rafael Azevedo, e por dois chefes de área da Secretaria de Tecnologia da Informação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apresentou, nesta terça-feira (19), o funcionamento de componentes da urna eletrônica a uma dezena de pré-inscritos no Teste Público de Segurança (TPS) do Sistema Eletrônico de Votação. A sexta edição do TPS será realizada de 22 a 26 de novembro em ambiente preparado na sede do TSE, em Brasília.

Veja vídeo no canal do TSE no YouTube.

Os técnicos desmontaram uma urna eletrônica modelo 2015 (UE 2015) para detalhar aos participantes os componentes do hardware e dos softwares dentro do equipamento. A urna 2015 será o modelo utilizado pelos investigadores durante o TPS 2021.

A abertura da urna atendeu a um pedido feito por Lucas Pavão de Carvalho Xavier, um dos pré-inscritos no TPS. Na ocasião em que fez o pedido, a Comissão Reguladora do Teste Público ofereceu aos demais pré-inscritos a oportunidade de acompanharem a desmontagem da urna e a explicação dos especialistas do TSE. Lucas é desenvolvedor de hardware e software.

Segundo Rafael Azevedo, a oportunidade permitiu explicar aos participantes todas as interfaces disponíveis na urna eletrônica, as tecnologias empregadas e o motivo de nela haver determinadas características, tudo para que pudessem entender aspectos de segurança e de funcionalidade específicos.

“A equipe de software do TSE já tem explicado isso aos investigadores, por meio de várias apresentações. Assim, eles conseguem ver literalmente como é que funciona a segurança da urna e como é que o equipamento foi projetado”, esclareceu Azevedo.

Ele assinalou que essas apresentações prévias ajudam na hora da execução dos planos de testes dos investigadores durante o TPS. “Eles dominam muito a parte de segurança, de tecnologia da informação, mas precisam se aproximar da nomenclatura e da arquitetura da urna eletrônica, que é muito diferente do que existe no mercado”, disse o coordenador de Tecnologia Eleitoral.

Também participaram a chefe da Seção de Gestão Integrada de Tecnologia Eleitoral (Segitec), Érika Cardoso, e o chefe da Seção de Segurança de Hardware da Urna Eletrônica (Segele), Luís Augusto Consularo.

Ao final da exposição da equipe do TSE, Lucas Xavier afirmou que a iniciativa ajudou bastante a compreensão da urna. Ele informou que recebeu também documentações técnicas sobre o assunto. “Visualizando, a gente percebe as características de blindagem contra qualquer tipo de adulteração que fosse feita externamente ao circuito ou às informações da urna”, pontuou.    

Pré-inscrições

Na fase de pré-inscrição do TPS, o TSE recebeu 39 pedidos de investigadores interessados em avaliar o sistema eletrônico de votação em busca de vulnerabilidades, com o objetivo de colaborar com a segurança e a transparência do sistema, que será utilizado nas Eleições 2022.

Foram registradas pré-inscrições de sete grupos e de 16 investigadores individuais. Eles têm até o dia 25 de outubro para apresentar os planos de ataque que pretendem executar durante o TPS 2021.

Até esta sexta-feira (22), os participantes poderão examinar o conjunto de arquivos de texto em linguagem de programação que contém todas as instruções que devem ser executadas para colher, armazenar, contabilizar, transmitir e totalizar os votos das Eleições 2022.

Veja mais informações sobre o TPS.

EM/CM

Últimas notícias postadas

Recentes